Feminismo dominante desqualifica divergência e vê sexo hétero como trauma, diz Francisco Bosco

Rio de Janeiro, Rj, BRASIL. 17/11/2017; Retrato do ensaísta Francisco Bosco, que lançou o livro “A Vítima Tem Sempre Razão?”, sobre lutas identitárias de minorias e linchamentos virtuais. ( Foto: Ricardo Borges/Folhapress)

O feminismo dominante, caudatário das feministas radicais dos anos 80, as “radfems”, desclassifica o dissenso e considera que “o desejo da mulher está sempre coagido pela estrutura patriarcal” –e por isso mesmo entende as relações heterossexuais como “constitutivamente violentas”. A opinião é de Francisco Bosco, 41, autor de “A Vítima Tem Sempre Razão?” (Todavia, 2017). […]

Leia Mais